Diego de Godoy 

Cineasta dedicado, gaúcho e colorado sem exageros. Meu foco é a criação e realização de projetos audiovisuais voltados para arte e cultura, como diretor, produtor, montador ou roteirista. E tudo mais.

 

Já morei na África, na França, em NYC, Porto Alegre e São Paulo. Ouvir Simon e Garfunkel caminhando pelo Central Park, ser mordido por um babuíno, topar com uma naja sobre a mesa do almoço e um crocodilo (pequeno) na piscina foram experiências incríveis e que me prepararam para o mercado profissional. Obrigado, crocodilozinho.

Decidi o que fazer da vida vendo os filmes do Jim Jarmusch. Meu primeiro curta, UM HOMEM SÉRIO, de 1996, venceu cinco prêmios no Festival de Cinema de Gramado, entre eles Melhor Filme do Júri Popular e Melhor Roteiro. VERA LÚCIA, curta de 2006 que dirigi e roteirizei, foi convidado pela curadoria do Festival de Cannes para a seleção da Quinzena dos Realizadores. 


Durante 17 anos na Zeppelin (hoje Zepp) e 4 na Fulano (hoje Barry), dirigi centenas de comerciais para clientes como Claro, Itaú, Ipiranga, Santander, Telefônica, entre outros. 

Em TV, dirigi o programa ROTA 051, primeira produção independente de fora do eixo RJ-SP exibida na MTV Brasil de 1992 a 1993, e integrei a equipe de roteiristas do programa BRASIL LEGAL, da Rede Globo, em 1996. Fui diretor artístico da Zeppelin Filmes de 2010 a 2013, onde desenvolvi projetos para televisão, entre eles a série doc reality CAOS, para o History Channel, exibida em 2012, e UM CONTRA TODOS, escolhida Melhor Série Não-Ficção do I Festival Internacional TELAS, de São Paulo.

Em 2013, lancei o documentário SOBRE AMANHÃ, que mostra o surgimento e o impacto estético da banda gaúcha DeFalla. Para o canal Arte 1, dirigi a série ARQUITETOS BRASILEIROS, de 2015, e criei e dirigi a série WORK IN PROGRESS, produzida pela Pródigo Filmes e exibida desde 2016. A 3a temporada está em fase de desenvolvimento.  

Meus trabalhos mais recentes foram o documentário BCSP50, sobre os 50 anos do Balé da Cidade de São Paulo, e durante a pandemia, fiz a direção de imagens do musical JACKSONS DO PANDEIRO e da peça A HORA DA ESTRELA OU O CANTO DE MACABÉA. 

 

Sou o maior fã de R.E.M. do hemisfério sul. A modéstia me impede de reivindicar o norte.